Urban Farmcy - where dreams come true

November 6, 2017

Foto retirada do blog: http://followthecolours.com.br/ 

 

Esqueça a Disney, caro leitor. O verdadeiro Parque de Diversões encontra-se em Porto Alegre, mais precisamente na Rua R. Hilário Ribeiro, 299 - Moinhos de Vento. Para quem AMA gastronomia funcional, saudável, consciente e sustentável, a Urban Farmcy é onde você TEM que ir, pelo menos uma vez na vida. 

 

O slogan do lugar, logo na porta, já diz tudo: LET´S REDEFINE THE FUTURE OF FOOD. 

 

E olha, eles redefinem mesmo. (E saiba que isso não é jabá, tá? Antes fosse. #MEPATROCINA #URBAN)

 

O conceito principal deles, ao meu ver, é trazer o consumidor para uma nova ideia na forma de consumir alimentos, fazendo-o refletir e criar mais consciência de que é possível comer de forma saborosa, nutritiva e ao mesmo tempo responsável com o planeta. Isso porque os pratos servidos trazem menos impactos negativos na esfera social, ambiental e econômica.

 

Foto retirada do blog: http://followthecolours.com.br/ 

 

Mas aqui vai além de simplesmente dizer "comida saudável e saborosa". Eles tem uma abordagem prática, - que já está sendo até bastante aplicada lá fora, mas aqui no Brasil se vê muito pouco. E isso vai desde o posicionamento da marca, da tecnologia empregada, dos utensílios usados, da apresentação do cardápio, dos pratos, da clareza e qualidade na escolha dos ingredientes ao ambiente extremamente acolhedor, criando uma atmosfera de verdadeira imersão e aconchego no universo da Urban. Você se sente mais saudável só de estar lá. Tudo parece pensado para criar uma experiência "fora da caixa".

 

 

Quais seriam os pilares?

 

  • O uso de alimentos de cultivados localmente (HYPERLOCALFOOD)  - e quando eu digo localmente é tipo, NO LUGAR mesmo, DENTRO do restaurante e de outros lugares indoor -, em "módulos automatizados". Inclusive, alguns estão dispostos no estabelecimento.

 

  • Em razão desse "cultivo urbano de vegetais", criado por essa tecnologia dos módulos automatizados, eles tem uma rede de produção e fornecimento hiperlocal urbano, provenientes de diferentes fornecedores denominados de "microfazendeiros urbanos". 

 

Foto retirada do blog: http://followthecolours.com.br/ 

 

  • O mais interessante é que você pode adquirir essa tecnologia e fazer parte da "rede de microfazendeiros urbanos da Urban Farmcy". Eles explicam que dessa forma estimulariam a agricultura positiva, com uso da coletividade, diminuiriam o impacto ambiental e aproximariam tanto o alimento do prato (o que preserva mais nutrientes) quanto as pessoas da experiência de plantar e colher o seu próprio alimento. Claro que seria uma forma de renda extra também. (Mais informações sobre como se inscrever no site deles)

 

  • Utilizam só produtos orgânicos, portanto, livre de agrotóxicos.

 

  • De forma, quase que total, a culinária é Plant-based, que no bom português, quer dizer que é servido apenas comida vegetariana e vegana.

 

Foto retirada do blog: http://www.destemperados.com.br/

 

  • Emprego de Raw food na grande maioria dos pratos, (que eu tanto falei sobre nesse post AQUI e AQUI. Como expliquei, consiste em servir alimentos "crus" ou aquecidos em baixíssima temperatura, para que assim preservem mais nutrientes e se mantenham mais "vivos".

 

  • Todos os produtos servidos na casa são produzidos por eles, exceto os pães, ressaltando que são variadas as opções de pratos, inclusive, algumas bem raras de se ver em restaurantes, como queijos fermentados e manteigas, todos de origem vegetal. Também os sucos prensados à frio são feito no local, com uso de uma prensa enorme, como os próprios funcionários informam.

 

  • E por fim, o restaurante tem um laboratório para o desenvolvimento de novos produtos.

 

Dá para entender o porquê da paixão, né? Quase fiz um quartinho para mim lá, gente. 

Rolou um identificação muito grande com a marca, porque a filosofia deles, de certa forma, também é a minha. Conquistar as pessoas e abrir a mente delas para novas formas de consumir comida saborosa, nutritiva, e sustentável. Só que no meu caso, eu falo para vocês cozinharem, eles já dão a comida pronta haha.

 

Feita essa MEGA INTRODUÇÃO, vamos a minha experiência, de fato, no restaurante. 

 

AMBIENTE

 

 

 

É bem clean, uma pegada hipster industrial que encontra a selva. A melhor explicação é dizer que parece ter sido retirado direto do Pinterest. Paredes brancas de tijolo à vista, mesas de madeira claro, canos à mostra e, óbvio, muito verde.

 

O lugar tem espaço aberto, com mesas do lado de fora e área interior onde ficamos. Como estava cheio quando chegamos, tem uns lugares para você sentar e aguardar, tanto dentro quanto fora. Eles ainda servem uns petiscos e suco enquanto você aguarda. Esperamos cerca de 30 min, no horário do almoço num domingo. 

 

Menção honrosa para: as vastas estantes de livros sobre temas diversos, mas que abrangem a filosofia do Urban, os letreiros em neon com frases poderosas, os talheres lindos de cor ouro envelhecido e outras peças de louça supercool, o capricho do cardápio, com fotos e explicações bem claras sobre o que tem nos pratos (bom para quem tem restrição!) e a apresentação LINDA da comida, que faz jus ao que gente vê no cardápio.

 

Nada mais broxante que ver uma imagem linda da refeição e quando chega você fica tipo, oi? Não foi isso que pedi. #mcdonaldsfeelings #ofeedagradece

 

 

COMIDA

 

 

Como disse acima, o cardápio é bem estruturado, com a legenda dos pratos divididos em:

 

  • PLANT-BASED - 100% a base de plantas;

  • RAW - alimentos vivos, com temperatura de cocção até 48°C;

  • VEGGIE - vegetariano, não é 100% a base de plantas;

  • NUT FREE - sem oleaginosas

  • GLUTEN FREE - sem glúten

 

Vem também explicado alguns ideais do lugar, como agricultura limpa, impacto ambiental positivo, uso de produtos orgânicos e algumas explicações sobre a composição dos pratos usarem muitas oleaginosas. Por isso pedem que informem logo caso haja alguma alergia

 

Como opções de prato salgado tem: pizza da casa, 3 entradas, 5 tipos de prato principal - na sua maior parte em forma de bowl -, 2 saladas, 2 hambúrgueres, variadas toasts  e um sanduíche. 

 

Na parte doce, também tem bastante opção, desde açaí clássico à creme de chia, torta de limão, sundaes, sorvetes, brownies, tiramisu, macarron, barrinha e trufa (ufa!). 

 

Além disso tudo, tem sucos prensados à frio e shots. A água é liberada e você pode servir diretamente do galão.

 

Nós estávamos em três, então eu aproveitei para pedirmos tudo que se tinha direito e provar coisas diferentes.

 

 

 

De cara pedimos um IMMUNE SHOT (R$ 12) - shot concentrado que auxilia na desintoxicação do organismo e fortalecimento da imunidade. Suco de limão siciliano, maçã, açafrão, gengibre, óleo de orégano, coentro e extrato de wheatgrass

 

O sabor é bem forte, não espere algo docinho como um suco. Tomei porque, além de ser recheado de nutrientes, é uma ótima forma de preparar o estômago para digestão. Mas é mais pela saúde do que pelo sabor incrível. Inclusive, o próprio funcionário nos explicou sobre a quantidade e o sabor da bebida, porque pelo jeito muita gente pede sem saber o que esperar.

 

 

 

Para a entrada, foi um KALEFORNIA CHIPS (R$ 25) - folhas de Kale (couve crespa) temperadas com pasta de castanha de caju, pimentão vermelho, suco de limão siciliano, levedura nutricional, sal do himalaya e pimenta caiena. É desidratada, transformando-se em chips sequinhos, para preservar todos os nutrientes.

 

Uma delícia! Beeeem crocante e saboroso. É apimentadinho, então para os que não gostam de nada com pimenta, podem não curtir. Eu confesso que não curto muito coisa apimentada, mas tolero bem pimenta caiena e junto com os outros temperos casou super bem. Não vejo a hora de testar algo assim com a minha Drogon.

 

 

 

O meu namorado pediu a FEIJOADA ALMOST RAW  (R$ 42) - feijão preto temperado com cebola shallot, alho, louro, manjerona, pimenta preta e talos de cogumelo Portobello defumado. Ainda vem dois cogumelos Portobello grandes, marinados, defumados e cozidos em baixa temperatura, farofa de amêndoas e banana desidratada, vinagrete , kale desidratado e gomos de laranja. 

 

Ele gostou bastante. Disse ser bem temperado, destacando que os cogumelos estavam sensacionais.

 

 

 

Eu pedi o BOWL MEDITERRÂNEO (R$ 42) - composto de arroz negro, acompanhado por tomates raw desidratados, azeitonas laminadas, alho poró, baby rúcula selvagem, manteiga de pesto com amêndoas e pistache e burrata raw de castanha de caju. Vem também baby vegetais raw, avocado, tomates, amêndoas com tamari e pimenta caiena e focaccia 100% integral.

 

Achei muito gostoso, mas confesso que talvez preferisse pedir algo com mais molho numa próxima vez, por gosto pessoal mesmo. Destaque para a burrata raw de castanha e a manteiga de pesto que fizeram toda a diferença no prato. Foi o que me fez pedi-lo inicialmente, porque nunca tinha experimentado burrata raw de origem vegetal e achei fantástico! Louca para testar algo parecido na minha cozinha. 

 

 

 

Ainda, a minha sogra pediu o GNOCCHI AO MOLHO POMODORO (R$ 42) - nhoque feito do miolo da abobrinha (GENIAL!) coberto com molho pomodoro à base de tomates orgânicos maduros, tomates secos caseiros, cebolas raw caramelizadas com tâmaras, manjericão, óleo de oliva, suco de limão siciliano, sal do himalaya, alho, páprica defumada, curry, pimenta preta, louro, alecrim e tomilho. Acompanha também burrata raw de amêndoas e azeitonas pretas.

 

Achei esse um dos melhores pratos, quando provei. Talvez por ser bem molhadinho e temperado, algo que eu amo. Muito provavelmente pelo meu dosha Vata hahaha

Na hora, não botei muita fé de pedir porque achei "simples", mas erro meu. Apesar de ter ingredientes mais básicos, o prato era bem complexo e bem saboroso. Sem contar que nunca que dava pra dizer que o nhoque era só abobrinha! Outra ideia facílima de aplicar em casa. 

 

 

 

Por fim, mesmo bem satisfeitos, tínhamos que pedir sobremesa, né?!

A dúvida era cruel, mas fomos no que a maioria preferiu e quase sempre é unanimidade: CHOCOLATE.

 

O escolhido foi o BROWNIE DE CASTANHA DO PARÁ COM SORVETE DE AMÊNDOAS (R$ 26) - brownie feito com farinha de castanha do pará e de caju, cacau em pó e pasta de tâmaras. Acompanha sorvete à base de amêndoas, carne e óleo de coco. O toque final foi dado com calda quente de fondue de cacau, maple syrup com anis e lâminas da casquinha de sorvete.

 

Era de comer REZANDO! Muito delicioso mesmo. Choquei com o sorvete, que tem uma base diferente da mais conhecida na culinária funcional (banana congelada), o que fez que ele ficasse com um sabor mais discreto, parecendo um sorvete de baunilha mesmo, combinando muito bem com o brownie de chocolate. 

 

PREÇO

 

Os preços são altos, mas nada impagável. Achei bem justo, considerando a qualidade dos ingredientes e dos nutrientes oferecidos, o uso da técnica empregada, o serviço, o ambiente aconchegante e bem decorado e toda a tecnologia usada para que, por fim, o prato chegasse na mesa, buscando um impacto positivo na coletividade.

 

Sinceramente, para quem gosta de culinária saudável e funcional, vale com certeza pagar e repetir se puder, porque toda a experiência e inspiração que é oferecida no restaurante não tem preço. Ainda mais considerando a raridade de lugares assim no Brasil. 

 

Talvez não seja um lugar para ir todo dia mas, com certeza, é uma boa opção para um almoço mais demorado de final de semana ou comemorar uma data especial. 

 

 

AVALIAÇÃO FINAL

 

Nota 10. Conheça, se tiver oportunidade! Para mim, foi amor à primeira vista. 

 

Mais informações no site deles: https://urbanfarmcy.com.br

 

Com amor, 

Luísa. 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

Search By Tags
Please reload

Archive
Recent Posts
Please reload